Ranking

Levantamento indica os maiores gestores de RPPS e seus fundos mais rentáveis

Pasquarelli RafaelComDinheiroCom ativos de investimento que somavam R$ 126,78 bilhões ao final de 2017, os Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) mantinham uma concentração elevadíssima em fundos de investimentos, principalmente de fundos com gestão dos bancos públicos como a Caixa e o Banco do Brasil. Segundo levantamento feito pela empresa ComDinheiro, no final de 2017 esses dois bancos públicos detinham nada menos de 70,68% do total dos investimentos dos Regimes Próprios na categoria fundos de investimento (ver ranking com os maiores gestores e fundos investidos por RPPS).

O levantamento da ComDinheiro foi feito a partir das informações de 1.496 RPPS registrados no CADPrev, o sistema usado pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda para centralizar as informações dos Regimes Próprios.

com dinheiro1

Os recursos registrados pelos RPPS junto ao CADPrev, na verdade, superam os ativos de investimento pois incluem também R$ 111,84 bilhões referentes a direitos de royalties e outros direitos. Com esses valores representados por direitos a serem incorporados futuramente à carteira dos institutos, o total das reservas alcança R$ 238,63 bilhões. Porém, efetivamente, apenas R$ 126,78 bilhões desse total são disponíveis  para investimentos no presente.

com dinheiro2

Ativos disponíveis para investimentos - Dos R$ 126,78 bilhões em ativos disponíveis para investimentos, 88,03% estão aplicados em fundos de investimento, o que representa uma alocação de R$ 111,60 bilhões nessa classe. Além das aplicações em fundos de investimento, os RPPS mantinham ao final do ano passado 9,67% das reservas líquidas alocadas diretamente em títulos públicos, o que representava R$ 12,25 bilhões, e outros 1,43% alocados em ativos imobiliários, o que representava R$ 1,81 bilhão na mesma época.

com dinheiro3 4

Dos R$ 111,60 bilhões alocados em fundos de investimento, 36,62% estavam concentrados na Caixa, a maior gestora de recursos de regimes próprios. A seguir vem a BB DTVM com 34,06% dos recursos aplicados em fundos pelos RPPS e o Banrisul com 6,97%. A Bram, gestora do Bradesco, aparece em quarto lugar com 4,75% dos recursos alocados em fundos pelos RPPS e o Itaú em quinto lugar, com 2,16%. Veja abaixo a lista dos 15 gestoras que mais concentram os recursos dos RPPS.

“É uma concentração elevadíssima nos bancos públicos, o que mostra o espaço que têm os bancos privados para crescer nesse segmento”, analisa o principal executivo da ComDinheiro, Rafael Pasquarelli. Segundo ele, os bancos privados já detectaram oportunidades de crescimento junto a esse segmento e estão, inclusive, montando equipes para atender aos regimes de próprios com funcionários cooptados nos bancos públicos. “Os bancos e gestoras privadas estão buscando quem conhece bem esse segmento e porisso estão tirando gente dos bancos públicos", afirma Pasquarelli.

Apesar da enorme concentração dos recursos nos bancos públicos, há uma grande quantidade de pequenas gestoras que operam focadas nesse segmento. Elas não detém grandes volumes, mas a participação dos RPPS nos seus volumes sob gestão é muito grande. É o caso de Kansai, que tem 100% dos seus recursos provenientes dos RPPS. Na LHYNQZ, outra gestora pouco conhecida, 71% dos recursos sob gestão vieram dos RPPS, e na Infra esse percentual é de 70%.

com dinheiro5

Os mais rentáveis - No levantamento feito pela ComDinheiro para indicar os fundos de maior rentabilidade das gestoras com as maiores concentrações de recursos dos RPPS, em 2017 o fundo mais rentável da Caixa foi o Vale do Rio Doce Fia, com retorno de 60,50% no ano. O retorno médio dos fundos da gestora, que detém 36,62% do total das aplicações dos RPPS em fundos de investimento, ficou 12,81% no ano passado. Na BB DTVM, o fundo mais rentável foi o BB Ações Vale, com retorno de 61,62%, e a média da rentabilidade ficou em 15,12%. Já no Banrisul, o fundo mais rentável foi o Banrisul Ações FIA, com retorno de 37,72%, e a rentabilidade média ficou em 14,35%. Veja abaixo a lista das 15 gestoras com mais investimentos dos RPPS e seus fundos mais rentáveis.

com dinheiro6

 Ainda segundo o levantamento da ComDinheiro, uma análise dos fundos mais investidos pelos RPPS mostra que a do Caixa Brasil IRF-M 1 Títulos Públicos RF é o maior, com R$ 14,62 bilhões em recursos de regimes próprios, tendo rendido 10,93% no ano passado. Em segundo lugar vem o BB Previdenciário RF IRF-M1 Títulos Públicos FIC FI, com R$ 10,36 bilhões de regimes próprios, que fechou 2017 com uma rentabilidade de 10,86%. Em terceiro lugar vem o Caixa Brasil IMA-B 5 Títulos Públicos RF Longo Prazo, com R$ 5,38 bilhões de RPPS e rentabilidade de 12,38% no ano passado. Veja abaixo a lista dos 15 fundos mais investidos pelos RPPS e suas rentabilidades.

com dinheiro7

O levantamento da ComDinheiro mostra que o BB Ações Vale FIA foi o mais rentável entre os fundos investidos pelos RPPS, com retorno de 61,60% e uma volatilidade de 37,90% em 2017. Esse fundo tinha R$ 40,74 milhões em recursos de regimes próprios. O segundo mais rentável foi o Bradesco FIA Vale, com retorno de 61,30% e volatilidade de 38,30% em 2017. A alocação dos RPPS no Bradesco FIA Vale era de R$ 143,98 milhões ao final do ano passado. O terceiro mais rentável foi o Caixa Vale do Rio Doce FIA, com retorno de 61,20% e volatilidade de 38,50% em 2017. A alocação dos RPPS no Caixa Vale do Rio Doce FIA era de R$ 428,82 milhões ao final do ano passado. Veja abaixo a lista dos 15 mais rentáveis.